Vitória bate Botafogo de virada, encerra série de rival e respira no Brasileirão

lg-e4b0b60b-8a70-4628-808d-18890461337b

O Vitória encerrou a série de quatro triunfos seguidos do Botafogo ao derrotar o adversário por 3 a 2, nesta tarde de domingo, no Engenhão, no Rio de Janeiro, pela 26.ª rodada. O time carioca vencia por 2 a 1 até os momentos finais, mas levou o empate aos 44 minutos com André Lima e depois a virada com Danilinho, aos 49. Apesar do tropeço, o Botafogo continua com 40 pontos, em sexto lugar, enquanto o Vitória saltou da zona de rebaixamento para uma posição intermediária na tabela, com 32 pontos. Além disso, confirma a excelente performance recente fora de casa, onde não perde há seis jogos, com um empate e cinco vitórias no período. O Vitória entrou bem compacto na marcação, na expectativa de explorar a velocidade para encaixar o contra-ataque. O Botafogo, em princípio, encontrou dificuldades para superar este bloqueio do visitante. Para piorar, levou um gol aos 14 minutos. Trellez foi lançado nas costas de Igor Rabello, invadiu a área e chutou cruzado. A bola tocou no pé da trave e voltou para o campo na direção de David, que bateu de chapa e abriu o placar. O gol impactou negativamente o time carioca, tanto que aos 21 minutos quase que David amplia. Ele passou por dois adversários e na frente de Gatito Fernández tentou dar a cavadinha. Mas o goleiro impediu o gol com o braço. Uma grande chance desperdiçada. Como o futebol pune, o Botafogo empatou aos 24 minutos. Após falta cobrada pelo lado esquerdo, Rodrigo Pimpão desviou de cabeça no primeiro pau e na pequena área apareceu Brenner para tocar de chapa para as redes. Vestindo a camisa 9, a do companheiro Roger, ele homenageou o titular, afastado no sábado por conta de um tumor em um dos rins. O jogo melhorou e o Botafogo também. Aos 32 minutos, quase virou. Victor Luis cruzou no alto, Caíque deu o tapa, mas a bola caiu nos pés de Bruno Silva. Ele soltou a bomba, mas para fora. No intervalo, Victor Luis, machucado, foi substituído por Gilson. No segundo tempo, o Vitória voltou diferente. Adiantou a marcação, tomando as iniciativas ofensivas. Um estilo de jogo que agrada o Botafogo, acostumado aos contra-ataques. Mas levou susto aos nove minutos, quando Trellez recebeu na frente da área e arriscou o chute. A bola bateu no pé da trave esquerda e saiu. Mas, aos 12 minutos, aconteceu o lance que decidiu a virada. Léo Valencia, que tinha entrado na vaga de Marcus Vinícius, foi lançado nas costas da defesa e dentro da área recebeu um chute do goleiro Caíque. Na verdade, o goleiro errou o tempo de bola e cometeu pênalti. O árbitro goiano Eduardo Tomaz de Aquino Valadão, longe do lance, não deu o pênalti, mas foi avisado pelo árbitro de linha e confirmou a penalidade. Os baianos reclamaram muito, mas não teve jeito. Na cobrança Brenner enganou Caíque e saiu para festejar seu segundo gol com a camisa abençoada de Roger. Botafogo na frente aos 15 minutos: 2 a 1. Mas, em seguida, perdeu o zagueiro Joel Carli machucado para a entrada de Marcelo. Uma baixa importante na defesa. De outro lado, Vágner Mancini promoveu suas três trocas e colocou o Vitória no ataque. Tirou o volante Uilliam Correia para a entrada do atacante André Lima. Depois entraram ainda os meias Danilinho e Cleiton Xavier. O Botafogo recuou e correu riscos. Deu sorte em alguns deles, mas não aos 44 minutos. Neilton cobrou escanteio e André Lima se antecipou no primeiro pau para desviar de cabeça. Aos 46 minutos, Léo Valencia foi expulso por revidar uma falta de Ramon. O Vitória manteve a pressão e chegou à virada. Após cruzamento da direita, a defesa não cortou e a bola ficou com Neilton na esquerda. Ele fez o passe para Danilinho, que chutou de forma mascada, mas depois pegou a sobra pra bater forte de esquerda e fazer o gol da virada. O Botafogo vai buscar a reabilitação no dia 11 diante da Chapecoense, de novo, em casa. O Vitória vai enfrentar no dia 12 o Sport, no Barradão, em Salvador (BA). FICHA TÉCNICA BOTAFOGO 2 X 3 VITÓRIA BOTAFOGO – Gatito Fernández; Luís Ricardo, Joel Carli (Marcelo), Igor Rabello e Victor Luís (Gilson); Bruno Silva, Rodrigo Lindoso, Marcus Vinícius (Léo Valencia) e João Paulo; Rodrigo Pimpão e Brenner. Técnico: Jair Ventura. VITÓRIA – Caíque; Patric, Wallace, Ramon e Géferson (Danilinho); Fillippe Souto, Uilliam Correia (André Luis), Yago, Neílton e David (Cleiton Xavier); Trellez. Técnico: Vágner Mancini. GOLS – David, aos 14, e Brenner, aos 24 minutos do primeiro tempo; Brenner, de pênalti, aos 15, André Lima, aos 44, e Danilinho, aos 49 minutos do segundo tempo. ÁRBITRO – Eduardo Tomaz de Aquino Valadão (GO). CARTÕES AMARELOS – Gatito Fernández (Botafogo); Caíque e Cleiton Xavier (Vitória). CARTÃO VERMELHO – Léo Valencia (Botafogo). RENDA – R$ 295.995,00. PÚBLICO – 12.444 pagantes (14.780 ao total). LOCAL – Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ).

Com informações do Massa News.